segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Primeiro

Na nossa primeira manhã de casados, ainda no hotel, logo depois da festa, conversávamos sobre a maravilha que foi nosso casamento. Então, entre uma resenha e outra, meu marido, que comia frutas, pagou uma geleia, passou em cada pedacinho de seu abacaxi, anteriormente cortado e comeu.


- Amor, você passou geleia de morango no abacaxi, foi isso mesmo?
- Foi... São esses tipos de coisas que a gente só conhece do outro depois de casado.





<3

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

A data

Eu me caso no dia em que cheguei no Brasil para ficar de vez.

Eu me caso no dia em que ele assinou termo de posso do concurso de uma vida.

Eu me caso no dia do nosso aniversário de namoro.

Eu me caso no dia do nosso aniversário de noivado.

Ninguém precisa gravar mais datas. 




Todas serão 22 de outubro.



terça-feira, 18 de outubro de 2016

Listas de coisas para fazer 5

1- Ir no buffet refazer o projeto

2- Ver a certidão de nascimento
3- Ver os Documentos do casamento
4- Escrever o menu e as mensagens dos padrinhos.
5- Marcar a prova do bolo
6- Fechar o design da lembrança
7- Marcar com fotógrafo a data do ensaio
8- Refazer/Revalidar o passaporte
9- Definir a lista de presentes
10- Definir lista dos convidados/convites
11- Ver o hotel que a noiva/noivo vão se arrumar. Preço e reserva
12- Fazer o roteiro do ensaio e da love story
13- Escolher sabor do Bem casado.
14- Ver o coreógrafo para a dança dos noivos
15- Ver as músicas da cerimônia e quem vai cantar.

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

Carta para você no futuro

Vocês já ouviram falar no Future Me? É um site onde você pode escrever cartas para você mesmo e programar o recebimento delas para quanto tempo depois você quiser. Existe também a possibilidade de deixar em modo publico e anonimo ou privado para que apenas você tenha acesso a carta.

As leituras de cartas publicas me deixaram um tanto down,  são gente como nós, com sofrimentos diários com tentativas e erros. A maioria são adolescente sem rumo na vida que escreve, porém tem algumas cartas muito, muito boas!

Não usei ainda, mas me pareceu um bom modo de manter as metas em dias.





sábado, 3 de setembro de 2016

Assalto, dia dos pais e capitalismo

No último dia dos pais eu fui assaltada pela primeira vez. Demorei um tempo para falar sobre isso. Foi rápido, normalmente é. Eu estava com o Hélio. Ele não gritou conosco, não machucou ninguém, saiu de um carro, levou nossas coisas e foi embora. Quase não deu tempo de sentir medo.

O medo veio depois. E se...?

No dia seguinte, no único momento em que fiquei sozinha, chorei. Ainda estava assustada. Com medo. Com e se's na cabeça. Mas Hélio escreveu algo muito profundo que merece ser reservado aqui:

Sobre ser assaltado, dias dos pais e uma sociedade regida pelo capital...
Fui assaltado ontem. Estava do lado da mulher que eu amo (Maeve). Era 15:30. Saia do almoço do dia dos pais na casa de minha mãe ( que também é meu pai)
O cara saiu do carro, que tinha mais gente lá dentro e apontou a arma pedindo o celular e a carteira. Demos o celular e a carteira. Eles foram embora.

5 segundos e uma síntese do capital. O dinheiro vale mais do que as vidas. O capital, como sujeito sem sujeito, submete o nosso caminhar e as nossas subjetividades. Troca vidas por mercadorias
O que esses ladrões queriam eram fazer parte dessa humanidade tosca que define a sua vida pela carteira e o celular.
O Odio que me tomou não é sobre o sujeito. Não vociferei o discurso de odio querendo que ele morresse. Não afirmei, bandido bom é bandido morto. Não desejei que o pai dele chorasse no dia dos pais ao invés do meu. Justiça não é vingança. E disso eu não tenho nenhuma dúvida
A minha parte ideologicamente burguesa odiou perder o celular, a carteira e ter minha propriedade levada. Mas, minha parte revolucionária agradeceu a humanidade presente naquele rapaz que não atirou e essa mesma parte ficou cheia de odio por vivermos nesse sistema que torna as coisas mais importantes que as pessoas. Esse sistema precisa ser derrubado e isso precisa ser feito com o resto de humanidade que ainda existe em todos nós, inclusive com a humanidade do cara que não atirou.
Hoje eu fico com minha parte revolucionária! Hoje eu fico feliz em ainda ser humano. Mas, até quando? Até quando restará humanidade em todos nós? Não sei se estarei vivo até lá. Celebremos a vida e o amor. Ataquemos o inimigo certo. Rompamos com a estrutura de classe!


quinta-feira, 1 de setembro de 2016

Sobre o primeiro dia

Eu preciso dizer, eu estava esperando muito pior do que eu encontrei. 

Eu já havia trabalhado como estagiária da rede municipal de ensino quando estava na faculdade. Eu nem estava esperando o que de fato encontrei. O problema é que agora eu tenho comparação. Eu tenho a escola que trabalho pela tarde na rede privada (leia-se para classe ryca de Salvador) e agora, tenho a escola pública (leia-se onde estão os filhos da classe trabalhadora.)

E o primeiro dia foi de comparação:

À tarde, as crianças tem um grande auditório com ar condicionado, telão, cadeiras acolchoadas e excelente acústica.
Pela manhã, em dias de apresentações eles sentam no chão. E é quente. E é cheio.
À tarde eu faço aulas com QR codes, Ipads, e músicas.
Pela manhã...
Pela manhã eles fazem provinha Brasil
À tarde eles fazem exame de Cambridge.

Eu preciso dizer, eu estava esperando muito pior do que eu encontrei. A escola da manhã é boa, mas ter essa comparação diária me parte o coração em zilhões de pedacinhos.

Resta à mim a luta.